shutterstock_355187963

Trataremos sobre à intolerância à lactose em um artigo dividido em 3 partes:

Parte I – O que é, tipos de deficiência à lactase e sintomas (Publicado em 24/10/2016)

Parte II – Diagnóstico e tratamento da intolerância à lactose (Publicado em 31/10/2016)

Parte III – Alternativas alimentares para intolerantes à lactose (Publicado em 03/11/2016)

Antes de entender o que é a intolerância à lactose, precisamos entender o que é lactose.

Lactose é um açúcar complexo, formado pela reunião de dois açúcares simples, a glicose e a galactose. Está presente no leite e nos seus derivados.

Por ser um açúcar complexo, a lactose não é absorvida diretamente pelo intestino, precisando ser metabolizada em açúcares mais simples.

As células do intestino delgado, local onde ocorre a digestão e absorção de grande parte dos nutrientes, produzem uma enzima chamada lactase, que é responsável pela quebra da lactose nas duas formas mais simples de açúcar. Esses dois açúcares, a glicose e a galactose, são absorvidos, passam para o sangue e são distribuídos no organismo.

Intolerância à lactose é uma doença na qual as pessoas apresentam sintomas intestinais característicos, como diarreia, flatulência e distensão abdominal após a ingestão de leite ou seus derivados.

Uma das causas de intolerância à lactose é a deficiência da enzima lactase. Se essa enzima não atua adequadamente, não ocorre a quebra da lactose. Como esse açúcar não é absorvido, ele passa para porções mais distantes do intestino e altera a absorção de outras substâncias, principalmente, da água.

Intolerância à lactose - Fórmula Lactose

Intolerância à lactose e os 4 tipos de deficiência de lactase:

1 – Deficiência primária de lactase

A deficiência primária de lactase também chamada de não persistência da lactase – é o tipo mais comum. Essa condição é causada pela presença de determinados genes, portanto, de origem genética. Nas pessoas portadoras desses genes, a produção da enzima diminui com o passar do tempo, em geral, após os 2 anos de idade. As crianças podem não apresentar sintomas de intolerância à lactose até o final da adolescência ou mesmo na idade adulta.

2 – Deficiência de lactase secundária

É a lesão do intestino delgado decorrente de infecções intestinais ou outras causas que alteram o funcionamento e a integridade da mucosa do intestino delgado. Em geral, o tratamento da causa das lesões melhora ou resolve a intolerância à lactose.

3 – Deficiência de lactase do desenvolvimento

Ocorre em crianças prematuras. Em geral, essa condição é transitória e permanece apenas por um curto período de tempo após o nascimento.

4 – Deficiência congênita da lactase

É uma condição muito rara, na qual o intestino delgado não produz ou produz muito poucas enzimas, desde o nascimento. Como o nome indica, é causada por determinados genes e, portanto, é uma característica hereditária.

Intolerância à lactose - Placa Lactose

Sintomas

Os sintomas de intolerância à lactose variam de leves a graves, dependendo da quantidade de lactose que a pessoa ingeriu, do grau de atividade da enzima presente no intestino e do tipo de alimento ingerido. Os sintomas mais comuns incluem inchaço ou dor abdominal, sensação de plenitude gástrica e diarreia. Náuseas, flatulência e diarreia ocorrem entre 30 minutos e 2 horas após o consumo de leite ou seus derivados.

Além dos desagradáveis sintomas, a intolerância à lactose compromete a qualidade de vida das pessoas. Impedindo-as de consumir alguns dos nutrientes essenciais como cálcio e vitamina D, levando, com frequência, à necessidade de suplementação dietética.

Este artigo foi escrito pelo Dr. Adagmar Andriolo, que escreve sobre o conteúdo dos seus exames no Mundo dos Exames. Ele é médico patologista clínico, doutorado em Patologia, professor associado da disciplina de medicina laboratorial na UNIFESP (Escola Paulista de Medicina), editor chefe do Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial e ex-presidente da SBPC/ML – Sociedade Brasileira de Patologia Clínica / Medicina Laboratorial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *